Quadrinhos, física e magia!

magia-fisica

texto originalmente publicado no site da Ribeirão Preto em Quadrinhos.

No ultimo texto falamos um pouco sobre como os quadrinhos são vistos. A ideia central ali era dizer que qualquer pessoa pode ler uma hq da mesma forma que vê filmes, séries , poesia ou literatura; sem precisar ser um especialista no assunto. E é verdade, mas para quem quiser, tem muito para se aprofundar com relação a essa linguagem. Por isso, pensei em falar um pouco sobre as coisas que fazem com que este seja meu meio de expressão favorito desde que me lembro.

Continuar lendo

Marvels e a arte.

Originalmente publicado na página da RPHQ no facebook.

gigante

Já há meses atrás, no dia 20/05/2014, aconteceu um bate-papo muito legal sobre quadrinhos de super-heróis na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi em Ribeirão Preto, mediado pelo Amalio Damas, Pablo Lopes e o Cordeiro de Sá. A conversa foi do aspecto mais fantasioso do gênero até a sua importância em termos culturais e históricos.

Depois do debate, fiquei tentando, num exercício meio maluco, resumir toda aquela conversa em uma única imagem,um único quadrinho Super-Heróico, e acabei por chegar nesta presente no texto. A fantástica representação do personagem Phil Sheldon fotografando o Gigante feita por Alex Ross na série Marvels. Continuar lendo

Lucy- a hq.

Texto originalmente publicado na página da Ribeirão Preto em Quadrinhos.
Lucy-HQ

É interessante pensarmos em como se lê uma HQ, numa época em que os suportes estão diversificando. Creio que o próprio desenvolvimento da história deve ser feito levando em conta este suporte. Nessa linha, achei muito interessante as HQ publicadas de forma online para complementar o filme “Lucy”, que estreou no cinema semana passada.

Para isso, a HQ utiliza recursos específicos da mídia digital. Não acho que isso vá significar o fim do gibi impresso, é apenas um suporte a mais.

Não é muito o tipo de recurso que me interessa. Gosto do que acontece dentro da minha cabeça enquanto leio uma história; de poder eu mesmo determinar quais detalhes me chamam mais ou menos a atenção, ainda que o artista imprima um ritmo narrativo no trabalho. Mas a forma como as imagens neste quadrinho se constroem à medida que rolamos a tela ficou bem trabalhada, e é um exemplo bacana de HQ digital.

Lançamento do volume 3 da Ribeirão Preto em Quadrinhos!

capa

É hoje, o imperdivel lançamento da rphq 3. Confira o release:

CHEGA AO FINAL A PRIMEIRA TRILOGIA DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS DE RIBEIRÃO PRETO

O terceiro volume da coletânea Ribeirão Preto em Quadrinhos, RPHQ, será lançado no dia 14 de março na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, a partir das 19h. O álbum colorido de 44 páginas será distribuído gratuitamente.
O projeto RPHQ surgiu em 2011 com o objetivo de publicar um único álbum. No entanto, o que era para ser um projeto despretensioso entre amigos de profissão, acabou se tornando uma das maiores representações artísticas em homenagem à cidade.
A coletânea chegou a sua terceira edição mais rechonchuda, com um total de 42 artistas. Nos três volumes, o projeto reuniu 73 profissionais, entre ilustradores, coloristas, designers e roteiristas. Trabalhos coletivos desenvolvidos em oficinas gratuitas para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social também participaram das publicações.

Segundo Cordeiro de Sá, organizador, o trabalho deu certo justamente pela participação de muita gente. “Conseguimos mobilizar e reunir muitos talentos valorosos que, em grupo, ganharam mais visibilidade e atraíram a atenção do público de forma contundente. Além disso, Ribeirão Preto é um mar de possibilidades, de causos e personagens, que praticamente pedem para serem retratados ou inventados”.
A qualidade da RPHQ pode ser medida com a indicação das duas últimas edições ao troféu HQ Mix, o mais importante prêmio brasileiro para o segmento, organizado anualmente pela Associação dos Cartunistas do Brasil (ACB) e pelo Instituto Memorial de Artes Gráficas do Brasil (Imag), com apoio do Sesc Pompeia. Outro ponto importante, e que demonstra a boa aceitação do público, é a quantidade crescente de curtidas na “fanpage” do projeto e o número de downloads gratuitos na internet. Somados, os dois primeiros volumes já foram baixados mais de 7 mil vezes, o que extrapolou o número de 2 mil edições impressas de cada um, já esgotadas.
O terceiro volume da RPHQ conta com 19 novos artistas que não haviam participado das publicações anteriores. Entre eles está Nicolas de Cardoso, animador que vem se dedicando à ilustração e pintura digital. “A melhor parte desse trabalho é poder valorizar a memória e o patrimônio cultural, ao mesmo tempo que podemos ver Ribeirão ganhar espaço no universo pop, entre tantas São Paulos, Nova Yorkes e Tókios imaginárias”.
Apesar do sucesso alcançado pela coletânea, a organização tem novos planos. Cordeiro de Sá explica que o projeto ganhou envergadura de selo, que viabilizará novos projetos.

Em 2013, já pelo selo RPHQ, saiu a graphic novel “Malu, memórias de uma trans”, uma história baseada em relatos e fatos reais sobre o universo LGBT. A publicação é considerado uma das pioneiras do gênero e teve destaque em espaços importantes, como no Fórum Mundial dos Direitos Humanos, em Brasília, e no Museu da Diversidade, de São Paulo.
Tanto as primeiras edições da RPHQ quanto a graphic novel “Malu, memórias de uma trans” estão disponíveis para visualização e download gratuitos a partir da fanpagewww.facebook.com/ribeiraopretoemquadrinhos

O volume 3 da coletânea RPHQ foi realizada pelo selo RPHQ, teve patrocínio do Senac e do Programa de incentivo cultural da Secretaria Municipal da Cultura de Ribeirão Preto, apoio da Atômica Filmes, Ideatore Comunicação, Arte em Giclê, Sweet Care e Instituto do Livro de Ribeirão Preto.
Participaram desta edição: Adriano Andreolli, Alan Barbosa, Ana Marcia Zago, Arnaldo Junior, Arnaldo Neto, Beto Candia, Biu, Caetano Cury Nardy, Carla Mimessi, Carlos Reno, Celina Sayaka Kimura, Cordeiro de Sá, Danilo Medeiros, Douglas de Azevedo Rogério, Dud, Gabi Registro, Gandolpho, Jessé Suursoo, Kerem de Freitas Barrocal, Leandro Ricardo da Silva, Lucas Sartorato Busatto, Marcelo Almeida, Marcelo Tomaz, Marcio Coelho, Matheus Botelho, Mouses Sagiorato, Nicolas de Cardoso, Paulo Fritoli, Quico Soares, Renato Andrade, Rodrigo Souza, Rodrigo Mazer, Saulo Michelin, Sergio Garrido, Sheila Ozsvath, Thomate, Valnei Andrade e Vinícius Souza, além da meninada do Educandário Sinhá Junqueira.

Serviço

Ribeirão Preto em Quadrinhos 3
Dia 14 de março, às 19h
Livraria Cultura (Shopping Iguatemi)
Gratuito

Malu- Memórias de uma trans.

                  malu

Enfim, consegui escrever aqui no blog de novo! Sem demoras,  a hq de Cordeiro de Sá já chega com um tema de polêmico de cara.Obras que tratam de questões de identidade sexual sempre carregam o risco de serem ignoradas por preconceito, ou mesmo provocarem apenas o “choque pelo choque”, sem provocar nenhuma reflexão no publico.

Também por isso, “Malu” corria o risco de não agradar ninguém, nem representar as pessoas que emprestaram seus depoimentos para que o autor pudesse compor a história. Mas de forma muito sagaz, Sá consegue passar por cima de todas as dificuldades e acerta na veia!

Continuar lendo

Ricardo Lobinho Barbieri.

Barbieri2

No +quadrinhista de hoje, meu camarada Ricardo Lobinho Barbieri, um dos desenhistas da Ribeirão Preto em quadrinhos ! Ele fala um pouco do seu trabalho, influências e compartilha imagens de alguns dos seus projetos. Vamos lá ! Continuar lendo

O selo RPHQ amplia suas publicações com Malu: Histórias de uma Trans.

Malu

 

Olha aí, novidade boa! O selo Ribeirão Preto em Quadrinhos amplia seu leque de publicações e histórias: A primeira é a da Malu, que mostra como a linguagem dos quadrinhos pode mostrar qualquer tema ou história retratando uma parte do universo transexual.

Clicando na imagem acima , você confere uma amostra ainda não totalmente finalizada da hq, feita pelo artista Cordeiro de Sá. Bora lá!