Jimmy Corrigan – o menino mais esperto do mundo.

texto escrito por mim e originalmente publicado no Contra-Argumento.

Publicado no Brasil em 2009 pela Cia. das letras, esta obra do quadrinhista Norte-Americano Chris Ware(criador de “Rusty Brown”, “Quimby the mouse”, entre outros) é uma das mais importantes da história dos quadrinhos.

A edição brasileira é de uma qualidade muito alta, fiel à todas as vontades do autor. Desde o começo, na contra-capa em letras minúsculas que ironizam o meio dos quadrinhos e sua industria, até o fim, uma espécie de glossário bem-humorado. Mas, à história: Continuar lendo

20th Century Boys…

No meio da leva de mangás que a Panini anunciou que vai lançar,vale a pena destacar que finalmente 20th century boys, de Naoki Urasawa, vai sair no Brasil. A história é sobre um grupo de amigos de infância que depois de adultos tem que enfrentar uma ameaça que pode acabar com o mundo. Relacionado a essa ameaça está o lider de uma misteriosa seita, que usa o simbolo de amizade que os protagonistas criaram quando crianças , mas de forma pervertida. Uma ficção cientifica com toques de “conta comigo”, vale a pena esperar sair por aqui-parece que ainda não tem data. Mais sobre Naoki Urasawa aqui.

Noé- Preview da hq de Aronofsky e Henrichon.

Foi lançado na Bélgica “Noé”, o album de quadrinhos escrito por Darren Aronofsky, Ari Handel e desenhado por Niko Henrichon (de “os leões de Bagdá). Assim, a editora Le Lombard liberou um preview de algumas páginas  e também um trailer em video, abaixo no post. A história retrata o fim do mundo pela visão de Noé, mas conforme as imagens, é dificil dizer como vai se desenrolar a trama e até mesmo em que época ela se passa:

O plano original de Darren Aronofsky para a história era realizar um filme para o cinema, mas seu intento esbarrou nos custos. O que o levou a realizar a graphic novel para despertar o interesse de algum estúdio. Isso mantém em destaque a questão: com tantos filmes baseados em hqs surgindo, não é ruim para essa linguagem que ela possa  ser vista como algo menor quando comparado ao cinema? Ainda mais se considerarmos o recentemente lançado no Brasil Cowboys and aliens,cuja versão original dos quadrinhos é bem fraca, além de  outras obras.

Temos também nos EUA o recente desdobramento da Legendary, produtora de cinema, que acaba de lançar uma divisão voltada para a publicação de quadrinhos.

Bem, tudo depende das intenções e da competência dos envolvidos. A Legendary colocou como responsável por sua linha Bob Shreck, editor com ótimo relacionamento com grandes artistas. Embora o primeiro lançamento da nova editora tenha sido a paranóica”Holy Terror“, obra resultante do medo do “perdido” Frank Miller, os nomes dos próximos artistas envolvidos com a editora continuam a animar: Paul Pope, Matt Wagner e Simon Bisley.

O próprio Aronofsky lançou uma versão em quadrinhos de “A fonte da vida” anterior ao filme. Na ocasião, a produção havia sido cancelada, e o diretor viu a  graphic novel como uma chance de contar a história. Para isso, trabalhou em conjunto com o competente ilustrador Kent Williams, e a parceria resultou num ótimo livro. Muito além de ser um versão menor ou mesmo apenas uma “versão do diretor ” para o filme estrelado por Hugh Jackman.

Acredito que é interessante ver a mesma história contada em midias diferentes, desde que a linguagem esteja adequada as potencialidades narrativas de cada meio.

“Noé” possui uma premissa interessante, com um bom roteirista e a ótima arte de Niko Henrichon. Estou empolgado para ler a hq e para ver o filme, acreditando que os dois irão se sustentar como obras isoladas.