noticias do Lanterna!

Liberaram na wondercon, evento que acontece esse fim de semana nos Estados Unidos,material de divulgação do personagem. Olha o pôster:

ficou legal. o visual é bom; o único problema é se em algumas cenas o cgi não ficar muito bem feito. Um efeito “sanfona” alternando bons e maus momentos acaba com a ilusão que deveria tornar o filme crível. Isso só vai dar pra saber vendo o filme, mas parece que a produção tem trabalhado duro nos efeitos.

tem Tambem um novo trailer,bem mais empolgante do que o primeiro!Tem mais de Abin Sur, Oa, Sinestro e um cgi fantástico!

confira:

E essa foi a (péssima, porém imperdível) piada de primeiro de abril da Poltrona.

Lanterna Verde – o trailer do filme

“no dia mais claro,  na noite mais densa…”

Finalmente posto aqui o trailer do filme do Lanterna Verde, que o omelete colocou ontem na rede  legendado. sem mais delongas, vamos ao trailer…

gostei. nada que tinha saido do filme até agora tinha conseguido me empolgar, mas esse video ficou legal, e a produção parece realmente preocupada em adotar um tom próprio para o filme, diferente do Batman de Nolan ou outras produções(não dá pra acreditar, mas tem gente reclamando que o filme não parece ser sombrio ou realista o bastante, como se fosse um requisito para um bom filme de super-herói.).E é ótimo ver os personagens da DC ( além do citado Batman) começando a ser adaptados com esmero. Mesmo que o cg não seja uma coisa que tenha me agradado totalmente( pelo menos até agora- ficarei mais do que feliz de dizer que estava totalmente enganado quando assitir o filme na primeira sessão), o uniforme já está bem melhor do que a  imagem liberada meses atrás, que aliás, não estava finalizada e portanto nem deveria ter sido mostrada.

mas é isso ai. Boas expectativas para junho de 2011.

Por que o Lanterna Verde é o maioral.

Primeiro, vamos às apresentações, caso alguém não conheça o personagem e sua mitologia, criados na década de 60 por John Broome  e Gil Kane, baseado num personagem da década de 40.

Os lanternas verdes são uma espécie de policia criada pelos guardiões (caras baixinhos e azuis) para proteger o universo. este é dividido em setores, e cada um destes setores possui um lanterna verde que o protege. Estes seres são selecionados pela nobreza e a coragem que apresentam, e uma vez escolhidos,recebem um anel capaz de manipular uma energia verde, que o protege no espaço, entre outras funções. Mas é fundamental que o portador consiga manipular o anel com sua força de vontade, fazendo com que esta seja uma qualidade inprescindível para um Lanterna. O setor da Terra, o 2814, tem como guardião Hal Jordan, Terrestre, piloto de aviões:

Hal Jordan

Ao longo dos anos, o personagem recebeu o auxilio de outros alienigenas da tropa, e também de terrestres que foram escolhidos como reservas caso Jordan se visse incapacitado de exercer suas funções. São eles:Guy Gardner e John Stewart.

O personagem nunca teve muito destaque individualmente no universo DC, ou pelo menos não tanto quanto tem agora. Mas toda essa atenção( que gerou um longa de animação em dvd, além de uma série animada e um filme que estreiam no ano que vem) remonta há alguns anos atrás.

Na época, Hal Jordan teve que aguentar ver a sua cidade natal (Coast City) e seus habitantes serem destruidos por um alienigena(durante a saga da morte do Superman). O personagem então enlouqueceu. Hal decidiu resolver os problemas do universo na marra, dizimou a tropa dos lanternas verdes e assumiu a identidade do vilão Parallax, enfiando o pé na jaca bonito.Isso aconteceu na saga “crepúsculo esmeralda”, e o outrora super-herói desceu até o nível mais baixo possível , perdendo realmente tudo:

hal enlouquecido.

hal enlouquecido.

Em uma trama futura, arrependido,ele acabou se sacrificando pra salvar a pátria e morreu. Kyle Rayner, também Terrestre, foi escolhido e durante algum tempo foi o ultimo Lanterna Verde. E o ex-nobre Hal Jordan viu-se transformado na nova versão do espectro,um super herói fantasma. Foi em 2007 que o roteirista Geoff Johns trouxe o personagem de volta, de um jeito que conseguiu inserir um novo significado na sua mitologia.

Descobre-se, na história “renascimento”, que Parallax era na verdade uma entidade espacial, um parasita que é literalmente a personificação do medo, e que dominou Hal Jordan por dentro. Parallax se aproveitou de um momento de fraqueza para domar o herói, fazendo com que ele causasse toda aquela destruição.Hal expulsa o Parallax e volta a vida novamente como Lanterna Verde, após uma série de situações que não são o foco aqui.

O mais legal é que no fim tudo no personagem  na verdade se resume a vencer o medo, em suas várias formas. Em Hal, ele era uma entidade que o dominava, e para retomar o controle da sua vida, era necessário superá-la. Quando ele descobre aquele ser desconhecido dentro de si, e como sucumbiu a ele, consegue enfrentá-lo.

olha o parallax aí:

Isso acrescenta clareza de objetivo ao personagem e seu universo: espalhar luz pelo cosmo, através da sua coragem e força de vontade. e reforça a diferença do Lanterna Verde para o Batman, por exemplo:

batman e hal Jordan, heróis,mas diferentes

mas mais do que isso, também são histórias sobre ter o controle sobre si mesmo. acima de tudo, não importando se o que incomoda é o seu próprio subconsciente ou um agente no interior que você nem sabia que estava lá. não se deixar dominar, como  diz o mantra Bene Gesserit em Duna, obra sci-fi de Frank Hebert. Neste mundo assustador em que vivemos, poucos poderes são maiores.

Hal finalmente esmurra o bicho que o corroeu por dentro durante anos...

Hal finalmente "esmurra"o bicho que o corroeu por dentro durante anos...

E é por isso que o Lanterna Verde é o maioral:

A noite mais densa

A Panini começa a lançar a grande saga da DC do ano passado,  ” a noite mais densa”, envolvendo não só a tropa dos lanternas verdes, mas também os outros personagens da editora.  Acompanhei meio por cima os últimos anos do Lanterna Verde e a guerra dos anéis,desde que Hal Jordan ressucitou na mini-série “Renascimento”. Na minha opinião,dos quadrinhos de super-heróis de linha, fora histórias especiais (como Superman All Star)era o que vinha  sendo publicado de mais legal,tanto na DC quanto na Marvel.

Chegaram nas bancas:

-o prólogo da saga, em Lanterna Verde 23

-A noite mais densa 0

-A noite mais densa 1

O número “0” na verdade  é um preview. Acompanhamos o lanterna Hal Jordan e o renascido Barry Allen, o Flash,  num cemitério. Os dois se encontram no túmulo de Bruce Wayne e lamentam não só a morte do Batman, mas também a de outros amigos.  A história serve mais para introduzir a trama. O que empolga mais é mesmo a arte de Ivan Reis, e a expressividade que ele coloca nas cenas de mais ação e no rosto dos personagens.

Não é exatamente um ponto negativo, mas a Panini optou por lançar essa história, de apenas 12 páginas(16 com as capas) em uma edição separada, ao preço de R$1,99, provavelmente para chamar a atenção dos leitores com o preço menor que o das outras revistas em banca. Mas, sei lá… a Panini podia ter sido um pouco mais ousada, já que a revista não acrescenta muito pra trama. Podiam ter impresso em um papel de qualidade mais baixa, e,tirando o escorpião do bolso,distribuído gratuitamente mesmo,pra atrair os leitores que não conhecem, ou os que pararam de ler super-heróis há algum tempo. Ou ainda, se era para cobrar, podiam ter publicado um texto explicando resumidamente os últimos acontecimentos do universo DC, e falado um pouco dos personagens envolvidos na trama, pra facilitar um pouco pro leitor.

No número 1, os mortos começam a se erguer e assumir o anel negro, e dois personagens importantes já morrem de cara. Não dá pra julgar o nível da história ainda, mas já me empolgou mais do que as crises dos últimos anos.

A Panini colocou nas contra-capas destes dois números iniciais a ordem das revistas que temos que comprar se quisermos acompanhar todos os eventos relacionados a saga, que vai até Janeiro. É coisa pra caramba, e somando todos os custos da mais de R$ 200,00. Como sou um leitor pobre, vou atrás somente da mini-série principal, e talvez da revista própria do Lanterna.